quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Para ser feliz, pense na morte?

“As pessoas na maior parte das vezes tomam decisões que não são baseadas no melhor para elas, mas no que os outros acham que é melhor. O grande dilema do ser humano é ser amado. E quando ele toma essas decisões, se baseia na possibilidade de receber mais amor. O que as pessoas não entendem é que não é um ato de egoísmo você pensar no que é melhor para você. Você escolher algo que vai te fazer mais feliz não é maldade – pelo contrário. Imediatamente você também vai deixar mais felizes as pessoas à sua volta.”
Dra. Ana Cláudia Arantes

Eu passei por umas perdas bem tristes na vida, e a forma como olhei pra isso sempre foi muito negativa ~na verdade ainda é~ e me mudou de um jeito que não foi legal pra ninguém. Mas a gente vai envelhecendo e entendendo que não dá pra viver assim, sabe. E essa entrevista da Dra. Ana Cláudia Arantes a respeito de seu trabalho, de médica especializada em cuidados paliativos, me fez enxergar as coisas de forma ainda melhor. Seguirei tentando ser transformada de outra forma, e agora por mim mesma.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Séries atrasadas #1

Depois de passar por um período tenebroso da minha vida que me levou até a vontade de assistir minhas 28173817 séries, eis que melhorei muito ao ponto de conseguir voltar a vê-las e virei aqui fazer comentários atrasados a respeito porque sim.

Esse post contém spoilers de The Good Wife!

Só eu amei o final? ~Yeah, a diferentona eu mesma, Claudia Melo~ Sério, gente, a Alicia já me fez passar muita raiva com essa passividade/entrega total àquele Peter, PLMDDS, MOLIER, SE LIVRA DESSE BOY LIXO! Então por ela ter feito isso até o final merece sim aquele tapa na cara e ter o boy gato provavelmente lixoso também do Jason desaparecido pra todo o sempre, sabe. Gostei mesmo do final, arrasou!

OBS: Parece que Chris Noth foi eleito o melhor ator a ser grande representante de boys lixo na tv, não é mesmo? Desgraçou a vida da Carrie em Sexy and The City ~nunca perdoei~ e depois com a Alicia em The Good Wife ~não perdoarei jamais~. Preciso dizer que já sinto até um certo receio do ator em qualquer papel, que dó.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

DOC Audrie & Daisy

Quando você toma conhecimento de determinadas coisas que acontecem nesse mundão de meldels, fica imaginando se não é ficção, porque a coisa toda é tão absurda, que não dá pra acreditar no que os nossos olhos veem. Mas isso dura um segundo e logo você percebe que sim, aquilo tudo é verdade. E é um tapa na cara, toda vez.

Assim me senti com Audrie & Daisy, um doc recém lançado na Netflix. Que triste viver nesse mundo, saber que esse tipo de coisa acontece. Bom pra relembrar que a luta não pode parar.

"E se eu pular...me deixe afundar...por favor."

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O amor é o sentimento que vai salvar o mundo

Ele entrou na minha vida sem alarde, sem eu saber que transformaria tudo. Numa época da minha vida que eu tava de boas e não sentia vontade alguma de um relacionamento. Então com uma semana de alguma coisa ele me pediu em namoro e eu aceitei. Porque ele me fazia rir de gargalhar, de um jeito que ninguém nunca tinha feito antes. Ele tira de mim algo que nem eu sabia que tinha, esse riso frouxo. Eu não sou expansiva nem pra ser alegre, gente, e com ele eu sou! Com ele, eu sou alegre, sabe.

Ensinei muitas coisas à ele, porque tem essa cultura de homem filhinho de mamai, né. De não saber fazer muita coisa na prática pois mamai sempre fez pra mim. Só que ele não sabe que foi ele que me ensinou as mais valiosas lições. Que me ensinou o poder da transformação. O poder do amor. Esse trocinho que a gente insiste em padronizar mas que na verdade não tem padrão nenhum. Ele me despadronizou por completo.

Ele me salvou de mim mesma, muitas vezes. Porque eu me saboto na cara dura, e ocasionalmente, acabo magoando ele também. Teve vezes que muito mesmo. Mas ele não toma pro lado pessoal. Ele vai lá e me acalenta. Diz que me ama. Chora e me cheira e me abraça. E diz que é possível o que eu acho impossível. Prova pra mim que eu tô enganadona. Me ensina que perdoar é possível. Transforma as coisas aqui dentro. Se torna meu professor de vida. Que o amor pode ser maior que tudo sim. E é mesmo. Porque ele me amou até quando eu não mereci. Obrigada MESMO por isso.

Quando eu tô com ele, eu sou capaz de enxergar o mundo com seus olhos. E esse mundo é tão melhor, porque nele eu estou com ele. A gente tá junto e consegue fazer o que a gente quiser. Sempre aquele 'vamo lá ver', o 'vou ver se tem'. A esperança é sempre a última que morre. No mundo dele a gente tem fé. Fé de que a gente pode tudo e de que tudo vai melhorar (spoiler: sempre melhora). Não tem nada que não seja superável ou contornável. Porque nós estamos juntos e juntos nós somos mais fortes. Foi ele que me falou.

Não é fácil a tarefa dele. Não é fácil me amar. Mas ele nunca desistiu, mesmo quando pareceu uma luta perdida. Ele se torna Dom Quixote, pega sua espada e luta bravamente contra o inimigo meio invisível. Tem toda paciência de esperar eu aprender sozinha com meus erros. Porque só assim eu aprendo. Quão incrível você tem que ser pra conseguir fazer isso? Meu herói. Meu ídolo. Um dia quero ser como você.

O que quero dizer com tudo isso, amor, é que você me revirou do avesso. Me mostrou o mundo. Me abraçou quando eu lutava pra ir embora. E eu sou tão grata por te ter em minha vida. Por cada vez que você me ignorou porque tava jogando videogame. Por cada vez que eu queria que você viesse correndo do trabalho e você ficou lá. Por cada vez que eu briguei a respeito da louça suja na pia. Não existe estresse da convivência humana que me faça achar que não vale a pena. Não existe obstáculo que me faça desistir de te ter em minha vida. Por todas as vezes ~e foram tantas~ que você me salvou e me mostrou que vale sim. Eu não desisto de você. Não desiste de mim, vai? Nunca, tá? Eu te amo tanto! Meu coração foi muito sábio no momento que decidiu apenas te amar.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Livro: A Coragem de Ser Imperfeito - Brené Brown

Então terminei a leitura de A Coragem de Ser Imperfeito e nunca dantes havia chorado TANTO lendo um livro. Me acalentava demais saber que a gente ~eu~ não precisa se encaixar em lugar algum. Que o que a sociedade impôs como a verdadeira felicidade não precisa necessariamente ser a sua felicidade. A sua felicidade é só sua e você pode ser feliz com coisas que os outros estranhem. Você não precisa viver de acordo com o julgamentos das pessoas, sabe.

Alguns momentos do livro foram um pouco maçantes pois ele é resultado de uma pesquisa que a Brené realizou e faz todo sentido que ela queira traçar um paralelo do seu estudo com a real life, né, então essas partes não me interessavam muito mas os momentos em que ela fazia a conclusão das entrevistas feitas e as próprias falas dos entrevistados, que são pessoas como eu e você, realmente fez valer a pena a leitura.

Empatia, identificação, me senti perdoada em muitos momentos por meus erros. Aquele perdão que mais importa: o meu para comigo mesma. Não preciso ser perfeita porque eu não sou perfeita. Nenhum de nós é, então nenhum de nós tem o direito de julgar e condenar a vivência do outro, a experiência de vida do outro. E ainda mais as de nós mesmos. Nesse período obscuro da existência humana, a gente precisa exercitar mais o perdão e a empatia, MESMO. Parar de sermos tão intolerante é uma das chaves pra nossa salvação.

"Viver plenamente quer dizer abraçar a vida a partir de um sentimento de amor-próprio.Isso significa cultivar coragem, compaixão e vínculos suficientes para acordar de manhã e pensar: 'Não importa o que eu fizer hoje ou o que eu deixar de fazer, eu tenho meu valor.' E ir para a cama à noite e dizer: 'Sim, eu sou imperfeito, vulnerável e às vezes tenho medo, mas isso não muda a verdade de que também sou corajoso e merecedor de amor e aceitação.'"

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Revolta #1

Uma das coisas que me deixa mais revoltada nessa vida é como a gente vai sendo moldado a ser feliz do jeito que todo mundo quer, a tal da construção social, sabe? Daí se algo na sua vida sai fora desse modelo de felicidade/vida plena, todo mundo te olha torto e te condena. Então, se você aceita um conselho: seja feliz, faça o que te faz feliz, sei lá, perdoar uma traição, usar um sapato diferente do outro, ter o cabelo lilás, viver de vender miçangas na praia e não preso dentro de um escritório ganhando rios de dinheiro, VÁ LÁ E FAÇA! Desde que não faça mal a ninguém e te deixe verdadeiramente feliz, apenas faça, meus amigos.

P.S.: De uma pessoa que se preocupou por 34 anos que o que os outros acham importa, e não pôde viver plenamente até aqui e entrou numa espiral de crise de tudo quanto é coisa na vida. Que está aprendendo a se perdoar todo santo dia pelos erros cometidos. Que enfim, está aprendendo a se soltar das amarras. Segura na minha mão.

domingo, 11 de setembro de 2016

Domingos #2

Acordamos meio que atrasados pois tínhamos coisinhas pra resolver nessa manhã de domingo. Abri os olhos, abracei meu amado, mas levantei rápido demais da cama naquele ímpeto de quem não pode perder mais tempo. Tomei banho e comecei o ritual que é toda vez que vou sair, que demora no mínimo uns 40 minutos, entre escolher uma roupa confortável e me maquiar. Enquanto isso maridão foi tomar seu banho, sempre demorado e irritante. Nesse ritmo conhecido de nós dois, as chances são bem maiores de estarmos prontos ao mesmo tempo, apesar que muitas vezes ainda tenho que esperar a lentidão normal e inerente de Maurinho(e não menos azucrinante mesmo depois de tantos anos).

Resolvemos as coisas todas e voltamos pra casa trazendo aquele calor que essa cidade nos introduz sempre que saímos na rua. Tomamos café e fomos pro nosso ninho aguardar a hora do almoço, enquanto minha mãe se prostrava no fogão já que receberíamos uma visita que nunca deveria ser visita pra nós, enfim. Eu lia qualquer coisa entre Bloglovin, newsletters ou textos salvos no Pocket e Maurinho fuçava no notebook. A visita não visita chegou e o almoço estava caprichado! Como adoro comer bem!

Voltamos pro quarto e continuei lendo meus textos, Maurinho zapeando na tv. Dormi, sempre acho que durmo muito nessas dormidas durante o dia mas Maurinho sempre me diz que eu não durmo nada nessas sonecas. Algumas chegam até a durar 15 minutos e eu juro que dormi por horas. Vai entender. Acordei e ficamos vendo tv até chegar num canal que passava Esposa de Mentirinha (TÃO errado e TÃO gostoso de assistir, sorry not sorry) e demos boas risadas. Depois fomos pra cozinha e preparamos sanduíches, cada um com seu cada qual, fazendo ao próprio gosto. Agora estamos recolhidos no nosso ninho e assim termina mais um domingo sem muita emoção mas que eu amo porque os melhores lugares são pessoas e Maurinho é sempre um lugar e tanto!

Resumo da Semana:
Livro: depois de tantos desgraçamentos por conta de A Arte de Pedir, continuo nessa vibe auto-ajuda não auto-ajuda. Recentemente passei/estou passando por momentos difíceis e tenho gostado de conhecer histórias incríveis e/ou de superação pra ter certeza de que vai ficar tudo bem, sabe. Então catei o livro da Brené Brown, A Coragem de Ser Imperfeito, que a Lys me indicou. Ainda tô muito no início então não tenho muito o que falar mas acredito que vou gostar, vamos ver.
Música: essa vai ser a parte mais difícil porque eu tenho uma relação muito louca com música, só escuto velharia ou alguma banda recém descoberta num looping infinito ou passo muito tempo sem ouvir nada mesmo, que é o caso essa semana, sorry
TV: tenho assistido a reprise de Mulheres de Areia no Viva, e que coisa boa! Claro que tem uns absurdinhos pelo tempo que já se passou mas nada grave como em Laços de Família, por exemplo rs Tô bem atrasada nas minhas séries, não tenho visto nada das que acompanho e tô com um bode de um modo geral com elas, espero voltar logo ao normal.
Filme: catamos Star Trek pra assistir e eu gostei TANTO! Sério, tô muito apaixonada pela amizade entre Kirk e Spock e suas aventuras interplanetárias! Assistimos o segundo filme logo em seguida e vamos ver se dá pra assistir ao terceiro ainda no cinema(se não sair de cartaz antes). Sdds, Anton Yelchin! D:
Comida: a goiaba em conserva, com MUITO creme de leite, que minha mãe trouxe da estrada entre Goiânia e Caldas Novas. Tá acabando e eu não sei mesmo o que vai ser da minha vida sem isso.
Planos: procurar ajuda real pra essa bad vibe que melhorou mas não passou.
Inspiração: pela Tati Lopatiuk, pelos relatos a respeito de como ela enfrentou o câncer.

Links:
O que acontece quando seu filho é chamado de 'gay' na quarta série: porque a gente já devia ter superado esse tipo de coisa mas a humanidade ainda falta a muitas pessoas.
Pare de se importar - e vá viver: eu acho que a Amanda escreveu esse texto pra mim, sabe, porque não é possível ela conseguir definir muitos dos meus momentos de tensão tão perfeitamente. Pra ler sempre que acordar naquela situ deprimente.
Por que é tão importante que pessoas brancas falem sobre racismo?: porque eu acredito que as lutas sociais devem ser basicamente pra agregar todos e que todos devem falar a respeito das minorias sim(e não por elas).
Do que eu falo quando falo da cultura do estupro: esse texto da Anna Vitória já não é recente mas é TÃO maravilhoso que eu precisava vir compartilhar. Anna, que mulher!
Sobre #SetembroAmarelo e atrapalhar quando se quer ajudar: sei o quanto é importante falar a respeito pois já tive problemas com isso e a gente precisa começar a lidar melhor com doenças mentais/comportamentos destrutivos.

Essa leva de posts detalhando os domingos foi ideia original da Isa, e eu aderi porque a gente não deve condenar um dia da semana que pode ser tão especial quanto qualquer outro.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Da música que ELE me ofereceu


A parte que mais gostei:
"And I don't want the world to see me
'Cause I don't think that they'd understand"


Eles não nos entenderiam nem em 1 milhão de anos. ❤

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Tem uma hora que...

você pede ajuda a alguém e entende que aquilo nunca vai ficar do seu jeito se não é você que vai fazer.


E TUDO BEM, SABE. Genial esse negócio de amadurecimento (e provavelmente o responsável por esse desapego seja A Arte de Pedir ~~LEIAM ESSE LIVRO~~, não nego nem confirmo).

domingo, 4 de setembro de 2016

Domingos #1

Vi em algum blog maravilhoso por aí a ideia de postar sobre a rotina dos domingos, que costumam ser dias dúbios em que a gente ama ficar de mómó ~aka preguiça se você não conhece o termo~ e ao mesmo tempo nutre sentimentos de melancolia por estar acabando o fim de semana, e ter apenas Faustão pra assistir na tv. Então resolvi aderir a ideia da minha companheira blogueira e credito assim que encontrar o blog na minha lista gigante no Bloglovin' (perdoem, a idade não me permite mais ter a mente ágil como outrora RISOS) Isa, que teve uma ideia genial pra encarar os domingos de um jeito mais amável.

Acordamos se não me engano ás 8:45 de ressaca pelo tanto que comemos ontem, que foi a comemoração em família, aqui em casa, pelo meu aniversário. Meu café foram docinhos gostosos da Eti Mariqueti, porque completar mais de 30 te permite esse tipinho de loucura. (Mentira, mas vamos fazer de conta que podemos). Ficamos de preguiça na cama, e inclusive dormi mais um pouco até a hora do almoço enquanto Maurinho assistia um filme qualquer com o Elijah Wood, que do pouco que vi, parecia bem estranho.

Fomos almoçar as sobras de ontem, com minha tia e meu primo, que dormiram por aqui mesmo. Comemos até explodir, com certeza. (Tô prometendo que amanhã mesmo retorno uma rotina mais equilibrada na alimentação, oremos!). Depois assistimos Star Trek, pois eu queria um blockbuster, ando muito nessa vibe de filme porque os que eu geralmente gosto são existenciais demais pra esse meu momento, então opto pela diversão, velha e simples. :) E preciso dizer que adorei o filme! Ganhou minhas raras 4 estrelinhas que é o máximo que dou para filmes muito bons (só ganham 5 stars os que conseguem remexer com meus sentimentos, o que nada tem a ver com qualidade, sorry rs).

Catei o iPad pra ler meus blogs queridos no Bloglovin' e logo bateu sono, e dormi novamente, dessa vez acompanhada por Maurinho. Acordamos por volta de 18:00hs, vejam que dia proveitoso #sqn. Aqui jaz um domingo. Não demorou muito e fomos comer de novo jantar, porque sim. Agora escrevo aqui com a barriga e o coração cheios, desejando muitas good vibes pra essa semana que se inicia. ❤

E vocês, o que fizeram de bom nesse domingão?